Construções Vísuais Colaborativas

Pintura Mural



























Este mural foi possível graças ao processo criativo e colaborativo de Crianças e Adolescentes da comunidade da Barra do Ceará + Crianças e Adolescentes da comunidade do Oitão Preto + Projeto Ponte de Encontro + Laboratório de Arte Pública - L.S.T.

Ambientação Acolhedora

“O espaço social é produzido e estruturado pelo conflito. A partir desta constatação começa uma política espacial democrática”. Rosalyn Deutsche (1996)

Descrição:
“Ambientação Acolhedora” é um trabalho colaborativo entre o projeto Ponte de Encontro, o Laboratório de Arte Pública L.S.T. e pessoas sem-teto tendo como foco crianças e adolescentes em situação de moradia nas ruas.
Nosso primeiro investimento foi a Praça da Estação.
Por um tempo a Praça da Estação se tornou um lugar de hospitalidade, um lugar de acolhimento para crianças e adolescentes em situação de risco social e pessoal.
A idéia foi criar uma ambientação-intervenção que tanto sirviu como um local de lazer e descanso, quanto um lugar que preste assessoria a crianças e adolescentes socialmente marginalizadas, dando informações e aconselhamento sobre serviços sociais, isto é, serviços de saúde, acomodações de emergência, etc.
A obra pretende funcionar como uma unidade móvel de intercâmbio de necessidades nas praças de Fortaleza.
A praça se convertendo em um lugar de trocas éticas, em um lugar de ocupação e utilização. Isto pode alterar sua relação com o público, que deixará de ser espectador para converterem-se em usuários e/ou ocupantes e cuja participação ou engajamento pressupõe constantes negociações.
A praça se tornando um espaço intersticial onde o trabalho de arte cria situações que abrem espaços em que terceiros podem interferir, usar e negociar práticas urbanas.
Os significados são gerados pela avaliação do valor de signo, valor de uso, arte, não-arte e mais valia.
Este trabalho não se estrutura por meio do consenso, mas a partir da constatação que a esfera pública não inclui a todos.
A natureza temporária do trabalho chama, de maneira desajeitada ou incômoda, a atenção para fissuras presentes no modo como nos concebemos como sociedade.
Este projeto trata de Nomadismo Urbano, de desarticulação e deslocamento. Ele tenta abarcar a complexa condição que dá origem ao fenômeno de crianças e adolescentes morando nas ruas e indaga como a arte pode contribuir e participar de maneira significativa neste debate.
O espaço da praça se transformando em um lugar de diálogo, onde a comunicação entre pessoas acontece por meio de um encontro inusitado permeado por uma dimensão ética, o que traz consigo certa dose de responsabilidade moral.
Colocar em ação esse discurso dentro de uma praça tem como efeito sua transmutação em espaço ético.
Documentação:
video

Salário Justo














Salário Justo faz pensar sobre algumas questões relacionadas ao ofício de Educador Social na medida em que é inserido de maneira contextualizada.
O lugar de inserção de Salário Justo é crucial para que a obra funcione como um dispositivo de problematização da realidade.
Os adesivos são espalhado por diversos pontos do Projeto Ponte de Encontro, lugar que trabalha com Educação Social e que têm dezenas de Educadores Sociais em sua grade de profissionais atuando diariamente.